sábado, 30 de janeiro de 2010

O dia do czar

A coroação de Nicolau II, o herdeiro do império,
movimenta a Rússia. Celebrações serão opulentas - tudo para ajudar a dissipar
a impopularidade do novo comandante moscovita

Feéricas celebrações: coroação de Alexandre III, em 1883, foi só uma prévia do que será a festa de Nicolau (na escadaria, à esq.)

Está chegando o dia de Nicolau Alexandrovich Romanov. Depois de um longo período de luto pela morte do pai, Alexandre III, o herdeiro do poderoso império finalmente será coroado czar da Rússia no próximo dia 14 de maio, em uma aguardada cerimônia marcada para a belíssima Catedral da Assunção, dentro das muralhas do Kremlin, em Moscou. Um mês inteiro de feéricas celebrações, com farta distribuição de pão e boa dose de circo, é a receita da nobreza russa para que o jovem monarca, de apenas 28 anos, reverta os incômodos ventos de impopularidade que sopram contra Nicolau desde que ele assumiu, de fato, as funções de governante supremo do país, no fim de 1894.

Novo czar: impopular e despreparado
Milhares de russos já se dirigem a Moscou para tomar parte nos festejos. A chegada de Nicolau II e da czarina Alexandra Fedorovna ao Palácio Petrovsky, nos arredores de Moscou, está marcada para o dia 6. Três dias depois acontece o desfile imperial, que colorirá as ruas da cidade com milhares de fardas dos diversos regimentos militares e acompanhará o casal do Palácio ao Kremlin, a fortificação erguida às margens do Rio Moscou para proteger a cidade dos invasores. Nos dias 10 e 11, estão marcadas recepções para embaixadores e solenidades para figuras proeminentes do império. Quatro dias depois da coroação, o momento de glória reservado para os súditos: o opíparo banquete popular nos campos de Khodynka, em que serão montados bufês, bares e teatros, além da famosa e geralmente generosa distribuição de presentes pela ocasião. Apenas para esse evento são aguardadas cerca de 500.000 pessoas.

O antecessor com a família: mão firme
'Bon vivant' - Espera-se que a coroação oficial e o clima festivo forneçam a Nicolau um apoio que ainda não teve - muito por seus próprios atos, é verdade. Ao chegar ao trono, em função da doença e morte do pai, resistiu a entregar qualquer tipo de poder a representantes eleitos pela população. Teve a chance de realizar uma série de reformas constitucionais reivindicada pelos trabalhadores e camponeses, mas, contrariando os conselheiros da família imperial, decidiu manter a política de Alexandre III. Além disso, repeliu rispidamente as delegações que se encontravam no Palácio de Inverno de São Petersburgo na esperança de terem seus desejos atendidos. Com isso, deu continuidade ao autoritarismo vigente nos tempos do czar Alexandre. Ao contrário do pai, todavia, Nicolau II parece não ter mão firme o bastante para conduzir o gigantesco império russo. A morte inesperada de seu genitor por falência renal, há dois anos, precipitou a ascensão do primogênito. De acordo com todos os conselheiros, o jovem estava completamente despreparado para as funções. O próprio Nicolau, que jamais se interessou pela política (bon vivant, preferia a companhia das mulheres) sabia disso. É célebre a frase que o herdeiro teria professado a um de seus primos quando soube do passamento do pai, Alexandre III: "O que será de mim e da Rússia?" A resposta, o mundo terá a partir de agora.

Revista Veja História

Um comentário:

Rodrigo Marcilio disse...

Olá Eduardo

Segundo alguns, o Comunismo encontrou terreno fertil na Russia, justamente pelo descontetamento que mostrou em seu post, por parte do povo para com o ultimo Czar, deposto a força e fuzilado pelos bolcheviques...

Naquela epoca a Russia era um pais de latifundios, extremamente agrario se comparado com o restante da Europa que havia se modernizado por conta Revolução Industrial, e ainda com um certo ar medieval, se pensarmos que eram os nobres donos de terra, e os trabalhadores rurais os camponeses da vez, que cultivavam as terras e se mantinham em pobreza explorados...

Como a Russia era de certo modo uma Monarquia ou melhor um Império já que o termo Czar vem da idéia dos Césares de Roma, diferentemente da Inglaterra que apesar de possuir uma Monarquia, também possuia um Primeiro Ministro que dissociavam os poderes, e ainda não emperraram o processo de desenvolvimento tecnológico com que passavam os principais paises desenvolvidos da Europa na época... como a França por exemplo...

Com os trabalhadores rurais descontentes e a promessa de um Estado forte, que desenvolveria a Mãe Russia como nação hegemônica e potência mundial que o fora no passado, e a distribuição de terras pela reforma agrária, que tirarai dos nobres e a partilharia com os trabalhadores, fora algo sedutor...

Um estado que proviria todas as necessidades de seus trabalhadores, cujo simbolo revolucionario, um martelo e foice simbolizariam ambas as classes desta nova Russia, a tornar-se União Soviética, um martelo afim de representar os trabalhadores industriais e um foice os trabalhadores rurais, ambos unidos sob a insignia de uma mesma bandeira vermelha...

Sobre então o rapido comando da nação de Lênin e depois Stanlin, o Socialismo ou Comunismo da União Soviética começa, para o fim dos sonhos daqueles trabalhadores que acreditaram teriam vez em seu Pais...

Por conta de seu atraso tecnológico em relação a outros paises europeus, uma fraca monarquia, um pais de dimensõles continentais, de etnias e linguas diferentes, o Comunismo encontrou terreno fértil para desenvolver-se sobre a promessa de desenvolvimento econômico e social para o seu povo...

E o resultado é o que todos vimos, a derrocada de um império, e da cortina de ferro. Porém isto não implica que o seu maior o antagonista o capitalimos, também seja a melhor forma de governo possivel e não já indique os seus sinais evidentes de ruina, como as ultimas e cada vez mais recentes crises econômicas...

Sem duvida a Russia é um grande laboratório para a História Humana, já foram num passado distante uma rica e poderosa nação, uma monarquia de feudos, um grande império, um pais Socialista que reuniu outros paises sob a insignia de União Soviética, que se separam novamente após tb ruir, e tranformarem-se uma republica democrática e capitalista, ainda não resolvendo o problema do seu povo...

Abs...

Rodrigo Marcilio