quarta-feira, 26 de agosto de 2009

A ótica dos colonizadores


John M. Monteiro

Os portugueses conheceram o litoral brasileiro pela primeira vez, em 1500. Mas foi apenas no último quartel do século 16 que começaram a produzir relatos sistemáticos, procurando descrever e classificar as populações nativas. Com exceção da sucinta História da Província de Santa Cruz, de Pero Magalhães Gândavo, publicado em Lisboa, em 1576, a maioria desses primeiros relatos escritos em português chegou ao prelo depois de um longo intervalo de mais de dois séculos. É o caso dos ricos registros do jesuíta Fernão Cardim - cujos tratados sobre o clima, a flora, a fauna e os costumes indígenas foram impressos em inglês numa edição bootleg por Samuel Purchas, em 1625, sem atribuir corretamente a autoria - e do sertanista e senhor de engenho Gabriel Soares de Sousa.

A defasagem de dois séculos e meio entre a produção dessas obras e sua efetiva divulgação apresenta um problema interessante. Uma das questões mais pertinentes é a tendência dos historiadores de projetar para 1500 - a emblemática data do primeiro encontro - um retrato da diversidade nativa e das relações luso-indígenas produzido, na verdade, numa data muito posterior, já refletindo as profundas transformações que atingiram boa parte das sociedades do litoral. Ainda assim, estes primeiros relatos foram escritos pelas testemunhas oculares e interpretados, posteriormente, pelos historiadores no intuito de apresentar uma imagem estática de sociedades puras como se o contato com os europeus não houvesse ocorrido. Este tipo de abordagem é problemático também porque tende a elidir o papel dos atores e das unidades sócio-políticas indígenas em suas respostas à expansão européia, papel este que contribuiu de modo importante na elaboração das configurações étnicas que aparecem, na historiografia, como "originais", milenares e atemporais.

Circulando em cópias manuscritas, os relatos de Gabriel Soares de Sousa tiveram algum impacto na época em que foram escritos, a julgar pela número de autores que se referem a eles ou que simplesmente dele plagiaram trechos. Contudo, após um longo esquecimento, foi no meio do século 19, com a edição crítica de Francisco Adolfo de Varnhagen, que o texto foi recontextualizado e ressignificado como obra fundamental para a compreensão das origens da nacionalidade brasileira. O interesse que Varnhagen manifestou pela obra de Gabriel Soares de Sousa não se limitou ao estrito exercício acadêmico de estabelecimento do texto. Como membro destacado do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, fundado em 1838, Varnhagen fazia parte de uma geração de intelectuais e de políticos que se dedicava à inauguração de uma tradição historiográfica nacional. Um dos primeiros desafios que enfrentava diz respeito à descoberta, recuperação e divulgação de relatos que adormeciam, empoeirados, em arquivos no país e no exterior.

Incomodada pelo fardo de uma sociedade escravista cuja imagem carregava os estigmas do atraso, da barbárie e da miscigenação, a geração das elites que atingiu a maioridade junto com o imperador D. Pedro II buscou estabelecer uma mitografia nacional que colocava, no centro do palco, o nobre, valente e - sobretudo - extinto tupi.

Se uma parte considerável dos intelectuais do Império desenvolveu uma visão simpática aos antigos tupis, muitas vezes em consonância com uma postura filantrópica diante dos "selvagens" seus contemporâneos, Varnhagen deixou claro desde o início o seu desdém por todos os índios, vivos e mortos. Em suas anotações ao texto de Gabriel Soares, oscilava entre a postura neutra que se esperaria de um cientista da época e uma posição manifestamente tendenciosa. Ao invés de mostrar um forte contraste entre os tupinambás da época do descobrimento e os botocudos dos sertões imperiais, Varnhagen apoiava-se no texto de Soares de Sousa para traçar semelhanças entre o comportamento traiçoeiro e vingativo dos tupis quinhentistas e sua contrapartida não-tupi do século 19. Condensando as distâncias espaciais e temporais, Varnhagen usava o exemplo tupinambá para tecer um comentário sobre a situação de conflito que perdurava na época dele: "É o que ainda sucede em nossos sertões. Os bugres recebem presentes de ferrinhos que no ano seguinte enviam contra o benfeitor mui aguçados, nas pontas de suas flechas; ou assassinam aqueles que, depois de lhes fazer presentes, neles confiam."

Em certo sentido, a desqualificação de todos os índios ecoava remotamente o texto do próprio Soares de Sousa, que alternava entre a elevada admiração e o profundo desgosto em sua descrição meticulosa da sociedade tupinambá. Varnhagen tinha consciência da contribuição que estas descrições antigas traziam para o conhecimento etnológico do século 19, chamando a devida atenção para os detalhes referentes a práticas de nominação e ao parentesco. Mas resistia em aceitar qualquer aspecto virtuoso da sociedade tupinambá, sempre lembrando aos leitores do caráter traiçoeiro, sombrio e ignorante desses índios.

Em suma, ao recolocar a descrição dos tupinambás escrita por Gabriel Soares de Sousa no contexto do século 19, Francisco Adolfo de Varnhagen acabou afastando esse grupo mais ainda do contexto histórico, no qual o relato foi produzido. Mais importante, ele consolidou a divisão que de certo modo permanece até os dias de hoje nos estudos sobre as populações indígenas, que foram condenadas a uma nebulosa pré-história ou ao domínio exclusivo da antropologia. Os tupinambás de Soares de Sousa surgiriam novamente com destaque no século 20, nas obras de Alfred Métraux e Florestan Fernandes, mas os historiadores, geralmente, continuam a evitar os índios como se a sentença de Varnhagen que os condenou a uma etnografia perpétua fosse ainda válida hoje.

Felizmente, as tendências recentes nos estudos de etnohistória começam a reverter essas noções arraigadas desde longa data, entrelaçando a pesquisa documental com novas perspectivas antropológicas para produzir um renovado retrato da participação ativa das populações indígenas diante do avanço dos europeus. Essa participação forjou, contra todas as expectativas, um lugar de relevo na história colonial que não podemos mais deixar de registrar. Uma simples releitura de documentos coloniais como os de Gabriel Soares de Sousa revela que esta história foi bem mais complexa, interessante e instigante do que a versão inaugurada por Varnhagen há um século e meio.

John M. Monteiro é professor de Antropologia na Unicamp e autor do livro Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo (Companhia das Letras)


JB 500 anos

Nenhum comentário: