quarta-feira, 21 de julho de 2010

Guerra do Paraguai: O massacre dos meninos


Guerra do Paraguai: O massacre dos meninos
Ressentimentos acumulados e inabilidade política transformaram a fase final da Guerra do Paraguai numa carnificina desnecessária
por Laurentino Gomes
Duas obras recentes ajudam a explicar um dos episódios mais decisivos e brutais da história brasileira: a caçada ao ditador Solano López (1827-1870) na fase final da Guerra do Paraguai. Derrotado pelas tropas aliadas brasileiras, argentinas e uruguaias, que a essa altura já haviam ocupado a capital paraguaia, Assunção, o ditador recusou a rendição, refugiando-se na cordilheira. Sem meios de se defender, usou como escudos velhos, mulheres, crianças e adolescentes, que foram trucidados pelas tropas adversárias. Começava ali o grande massacre, em que milhares de paraguaios foram mortos numa carnificina que até hoje assusta os historiadores. Os números são imprecisos, mas alguns pesquisadores falam em mais de 100 mil mortos, entre 10% e 15% da população paraguaia, que na época era de 1 milhão de habitantes.

Novos livros dos historiadores José Murilo de Carvalho e Francisco Doratioto (ambos publicados pela Companhia das Letras) tratam de dois dos principais personagens envolvidos na guerra: o general gaúcho Manoel Luís Osório (1808-1879), tema do estudo de Doratioto, e o próprio Pedro II (1825-1891), analisado por Murilo de Carvalho. Ambos
reforçam a idéia de que o massacre poderia ter sido evitado.

Para isso, bastaria que os lados envolvidos na guerra tivessem sensatez e habilidade política para superar os ressentimentos acumulados. Infelizmente, não foi isso que aconteceu. O conflito, que poderia ter acabado com um acordo razoável para vencedores e derrotados, se prolongaria muito além do necessário. O resultado foi o massacre dos meninos paraguaios.

O Brasil se viu forçado a entrar na guerra pela ambição desmedida do ditador paraguaio. Determinado a forçar uma saída para o Atlântico, Solano López aprisionou um navio brasileiro e invadiu terras brasileiras e argentinas. "Foi uma guerra que o Brasil não queria", afirma Murilo de Carvalho. "Sobretudo porque era feita contra o inimigo errado, o Paraguai, e em parceria com o aliado errado, a Argentina." Com o Paraguai, o Brasil tinha problemas de fronteira, mas os diplomatas brasileiros achavam que tudo poderia se revolver sem guerra. Com a Argentina, ao contrário, a rivalidade era antiga porque envolvia a disputa da estratégica bacia do Prata.

Sem a opção de resolver as diferenças pela via diplomática, restou aos brasileiros defender seus interesses numa guerra que, bem ou mal, ajudaria a delinear a identidade nacional.

Foi um conflito longo e desgastante, em que escravos, pobres e analfabetos, mas também fazendeiros, filhos de famílias nobres e oficiais de carreira, se encontraram pela primeira vez em campo de batalha, ajudando a forjar o sentimento de afinidade entre eles. Antes da guerra, observa Murilo de Carvalho, "nenhum episódio havia unido tantos brasileiros contra um inimigo comum". Os símbolos nacionais foram valorizados. O hino era tocado no embarque das tropas. A bandeira tremulava à frente dos batalhões e nos mastros dos navios.

A guerra começou em 1865 e poderia ter acabado em janeiro de 1869, com a ocupação da capital paraguaia. Essa era, pelo menos, a tese defendida por Luís Alves de Lima e Silva, o duque de Caxias (1803-1880). Caxias acreditava que a caçada a Solano López era inútil porque, àquela altura, o ditador já não tinha condições de reagir. A única alternativa, portanto, era resolver as divergências na mesa de negociações. Essa posição sensata não prevaleceu por culpa do imperador Pedro II e seu genro, o jovem e inexperiente conde d’Eu (1842-1922), marido da princesa Isabel (1846-1921). Desgastados pela oposição política que a guerra haveria gerado dentro do próprio Brasil, os dois insistiram em capturar López vivo ou morto.

A caçada revelou-se muito mais difícil do que as autoridades imaginavam. O ditador paraguaio foi morto pelas tropas brasileiras em março de 1870, mais de um ano após a ocupação de Assunção, mas o preço pago foi muito além do que o estilo culto e civilizado do imperador recomendava - e, de certa forma, manchou irremediavelmente sua biografia. O perfil humano que o talentoso Doratioto traça do general Osório reforça essa tese. Aos 61 anos, doente e cansado, o gaúcho também acreditava que a guerra estava resolvida depois da tomada de Assunção. Tanto assim que decidiu se retirar para sua cidade, Pelotas, no interior do Rio Grande do Sul, onde pretendia descansar e recuperar a saúde.

A teimosia de Pedro II e do conde d’Eu, no entanto, obrigaram Osório a retornar ao campo de batalha com a perna imobilizada pela doença e o maxilar estilhaçado por um tiro de fuzil. E foi assim, contra sua vontade, que um dos heróis do Exército brasileiro se viu compelido a travar uma batalha insana contra velhos, mulheres e crianças, massacrados depois de enfrentar as tropas aliadas com pedras, tijolos, pedaços de madeira e cacos de vidro na localidade de Peribebuí. Os prisioneiros sobreviventes foram degolados a mando de um enfurecido conde d’Eu. O general prussiano Carl von Clausewitz (1780-1831), autor de um clássico de estratégia militar, dizia que "a guerra é a continuação da política por outros meios". Ou seja, só se deve recorrer às armas depois de esgotadas todas as demais alternativas. Infelizmente, essa lição tão simples e tão óbvia não foi seguida em 1869. O resultado, além da carnificina desnecessária, é o ressentimento que até hoje se acumula ao longo da fronteira dos países envolvidos.

Revista Aventuras na História

2 comentários:

Vieira Calado disse...

Não sabia nada disto.

Obrigado.

Um abraço

Anônimo disse...

ué, o louco do lopes jogava crianças, velhos e mulheres na guerra, contra o exercito brasileiro.....o louco é o proprio lpes, nao os brasileiros.......quem jogou crianças, velhos e mulheres no fogo foi SOLANO LOPES, sujeito sem amor por seu país, q idiotamente vivem idolatrando-o no paraguay .....voces queriam q o exercito brasileiro se entregasse a crianças, velhos e mulheres? qto a caçar solano lopes até o fim é justo pegar o verdadeiro culpado daquela porcaria toda e fazelo pagar por suas maldades....mas tb seria bom deixar o lopes pra lá....