sábado, 12 de dezembro de 2009

A HISTÓRIA DA CRIANÇA


A HISTÓRIA DA CRIANÇA - DA IDADE MÉDIA AOS TEMPOS MODERNOS
O SURGIMENTO DO SENTIMENTO DA INFÂNCIA


Marcelo Uchoa

“Sentimento da infância corresponde a uma consciência da particularidade infantil “.

Este texto apresenta as idéias desenvolvidas por Ariès sobre a concepção da infância ao longo dos tempos. Partindo da Idade Média, o autor analisa como a criança era vista pela sociedade medieval que a ignorava enquanto criança e o surgimento e posterior desenvolvimento de certos sentimentos em relação a criança pequena. Ariès aprofunda-se no estudo das sociedades e mostra-nos o surgimento dos mecanismos que conduziram a mudanças de atitude com relação a criança e o posterior surgimento do que pode si chamar de “sentimento da infância”.
Na Idade Média esse sentimento não existia. Quando a criança não precisava mais do apoio constante da mãe ou da ama, ela já ingressava na vida adulta, isto é, passava a conviver com os adultos em suas reuniões e festas. Essa infância muito curta fazia com que as crianças ao completarem cinco ou sete anos já ingressasse no mundo dos adultos sem absolutamente nenhuma transição. Ela era considerada um adulto em pequeno tamanho, pois executava as mesmas atividades dos mais velhos. Era como se a criança pequena não existisse. A infância, nesta época, era vista como um estado de transição para a vida adulta. O indivíduo só passava a existir quando podia se misturar e participar da vida adulta. Não se dispensava um tratamento especial para as crianças, o que tornava sua sobrevivência difícil. Segundo Moliére, grande gênio do teatro, contemporâneo daquela época, a criança muito pequena, demasiado frágil ainda para se misturar à vida dos adultos, “não contava”, porque podia desaparecer. A morte de crianças era encarada com naturalidade. “perdi dois filhos pequenos, não sem tristeza, mais sem desespero”, afirmava Montaigne.
Todas as criança, a partir dos sete anos de idade, independente de sua condição social, eram colocadas em famílias estranhas para aprenderem os serviços domésticos. Os trabalhos domésticos não eram considerados degradantes e constituíam uma forma comum de educação tanto para os ricos como para os pobre.
O primeiro sentimento que surge em relação a infância é a “paparicação”. Ele surge no meio familiar, na companhia das crianças pequenas. As pessoas não hesitam mais em admitir o prazer provocado pelas maneiras das crianças pequenas, o prazer que sentem em paparicá-las. Com o tempo esse hábito expandiu-se e não só mais entre os bem-nascidos mais, também, já junto ao povo ele pôde ser observado. A criança por sua ingenuidade, gentileza e graça, se torna uma fonte de distração e de relaxamento para os adultos.
Esse hábito provoca reações críticas as mais diversas. No fim do século XVI e sobretudo no século XVII, alguns considerável insuportável a atenção que se dispensava então às crianças. Exasperavam-se com a maneira como paparicavam as crianças. Esse sentimento de exasperação era tão novo quanto a própria paparicação.
O segundo sentimento da infância a surgir e desenvolver-se foi a tomada de consciência da inocência e da fraqueza da infância. Este veio de uma fonte exterior a família. Foram os eclesiásticos, os homens da lei e os moralistas do século XVII que primeiro deram-se conta da necessidade de uma atenção especial a infância. Eles recusavam-se a considerar as crianças como brinquedos encantadores. Viam nelas, frágeis criaturas de Deus que era preciso ao mesmo tempo preservar e disciplinar. Esse sentimento depois passa para a família. No século XVIII a família passa a reunir os dois elementos antigos associados a um terceiro e novo elemento: a preocupação com a higiene e a saúde física.
Esta aproximação pais-crianças, gerou um sentimento de família e de infância que outrora não existia, e a criança tornou-se o centro das atenções, pois a família começou a se organizar em torno dela. No início do século XVII, foram multiplicadas as escolas com a finalidade de aproximá-las das famílias, impedindo desse modo, o afastamento pais-criança. Neste século também foi criando para a criança um traje especial que a distinguia dos adultos.
A afetividade, a especialização de um traje para os meninos e a incorporação de castigos corporais entre as crianças formaram os primeiros sentimentos de infância e introduziram os primeiros mecanismos de distinção entre a criança e o adulto, levando ao início do reconhecimento da infância como um estágio de desenvolvimento merecedor de tratamento especial.
Nos séculos XVI e XVII os escolares eram vistos como pertencentes ao mesmo mundo picaresco dos soldados, criados, e de um modo geral, dos mendigos. Foi necessário a pressão dos educadores para separar o escolar do adulto boêmio.
A noção de criança bem educada não existia no século XVI, formou-se no século XVII através de visões reformadoras dessa elite de pensadores e moralistas que ocupavam funções eclesiásticas ou governamentais. Com essa preocupação a criança bem educada seria preservada das rudezas e da imoralidade, que se tornariam traços específicos das camadas populares e dos moleques.
Os moralistas e educadores conseguiram impor seu sentimento grave de uma infância longa graças ao sucesso das instituições escolares e as práticas de educação que eles orientaram e disciplinaram.
Os verdadeiros inovadores foram os reformadores escolásticos do século XV, o cardeal d’Estouteville, Gerson, os organizadores dos colégios e pedagogias e, finalmente, acima de tudo, os jesuítas, oratorianos e os jansenistas do século XVII.
Durante muito tempo a escola ficou alheia a repartição e à distinção das idades. Seu objetivo essencial não era a educação da infância. Ela era uma espécie de escola técnica destinada a instrução dos clérigos, jovens ou velhos. Era comum ver-se adultos e, até mesmo ancião, junto com crianças pequenas formando uma só turma.
A partir do século XV, e sobretudo nos séculos XVI e XVII, apesar da persistência da atitude medieval de indiferença à idade, o colégio iria dedicar-se essencialmente à educação e a formação da juventude, inspirado-se em elementos de psicologia (Cordier, na Ratio dos jesuítas e na literatura pedagógica de Port-Royal).
Percebemos que a disciplina escolar teve sua origem na disciplina eclesiástica ou religiosa. Essa característica, a introdução da disciplina, é a diferença essencial entre a escola da Idade Média e o colégio dos tempos Modernos.
A partir do século XVIII, a escola única foi substituída por um sistema de ensino duplo, em que cada ramo correspondia não a uma idade, mas a uma condição social: O liceu ou o colégio para os burgueses (secundário) e a escola para o povo (primário).


BIBLIOGRAFIA:

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1981.
FAZOLO, Eliane; CARVALHO, Maria Cristina; LEITE, Maria Isabel; KRAMER, Sonia. História e política da educação infantil. Sonimar C. de Faria; in: Educação infantil em curso. Rio de Janeiro: Editora Ravil, 1997. (p. 09 a 37).

Um comentário:

Fernanda disse...

s valores humanos mudam com a mudança dos tempos. Eu ouvi muitas vezes a infância dos meus avós contada por eles. O meu avô com 8 anos tomava conta de um moinho sozinho. A minha avó com 6 anos de idade, foi prestar serviços domésticos, a uma familia, cujas crianças que tinha de cuidar, eram todas mais velhas do que ela. No entanto, agora apesar de preocupar muito com as crianças, sobretudo crianças em risco, também me preocupam os jovens que parecem não querer crescer e tomar responsabilidades. O equilibrio é necessário para um crescente equilibrio mundial. Mas quem diz que o Mundo é equilibrado?