sábado, 24 de março de 2012

Jardim Botânico – Rio de Janeiro

Situado na Rua Jardim Botânico, 920, no bairro do mesmo nome, ocupa uma área de 141 mil metros quadrados, sendo pouco mais da metade de matas naturais e o restante, cultivado.
Com a vinda da família real, em 1808, foi criada a primeira fábrica de pólvora na colônia, localizada no antigo engenho de cana Rodrigo de Freitas. Ali, pouco depois, foi inaugurado por D. João VI o Real Horto e nele plantadas sementes de especiarias das Índias Orientais. Também foi construído um arboredo com cerca de 5 mil espécies classificadas, além de milhares de plantas ornamentais, cultivadas em estufas e estufins, compreendendo 187 famílias botânicas o que constitui uma das maiores exposições de plantas em um jardim botânico em todo mundo.
Embelezando a paisagem, lá estão duas esculturas do mestre Valentim, as primeiras estátuas fundidas no Brasil, em 1753. No Jardim Botânico acha-se, ainda, o pórtico neoclássico da antiga e demolida Imperial Academia de Belas Artes, montada no Jardim Botânico em 1940, no final da aléia de palmeiras, pelo IPHAN, e o antigo portão da fábrica de pólvora, construção de alvenaria.
Atualmente, o Jardim Botânico é centro de pesquisas.
Tombamento federal em 1973.
Documenta Histórica. Cyro Corrêa Lyra.

2 comentários:

Mirze Souza disse...

É lindo mesmo, Eduardo!

Por isso o Tom Jobim escolheu este lugar. Oxigênio puro e a beleza das vitórias régias.....

Bela postagem.

Beijos

Mirze

gerardo cailloma disse...

El año pasado estuve en ese maravilloso lugar; estuve en varios viveros y me informé de todos los datos importantes desde su fundación y los múltiples usos que tuvo a lo largo de su historia. La entrada de palmeras es alucinante.