terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Um militar que defendia os índios

 Parque Nacional do Xingu, um dos maiores legados de Rondon / Foto: Sergio Lima /Folhapress

 CECILIA PRADA

Embora o nome de Cândido Rondon (1865-1958) figure hoje, de norte a sul do Brasil, em ruas, estradas, escolas e instituições várias e seja consagrado como designação de numerosas localidades e até em um de nossos Estados (Rondônia), não é muito o que as gerações mais novas conhecem de sua vida e de seus feitos. Vamos começar dizendo que ele foi um militar e sertanista notável, que dedicou sua vida à causa da integração das populações indígenas e idealizou o Parque Nacional do Xingu e o Serviço de Proteção aos Índios. Mas por ser militar e pela própria natureza de sua longa carreira, desenvolvida no sertão como etnógrafo, explorador e antropólogo, sua figura permanece, parece, distante e hierática, revestida da fixação inexorável que o tempo lhe deu.

Nada mais necessário, portanto, do que – neste ano em que comemoramos o sesquicentenário de seu nascimento – tentar reviver e trazer para primeiro plano as circunstâncias concretas em que se desencadeou seu trabalho pioneiro. A “questão indígena” permanece até hoje como objeto de grande controvérsia entre especialistas, instituições governamentais e políticos, envolvendo inevitavelmente todos os setores e forças da nacionalidade, registrando-se em relação à figura de Rondon – como acontece invariavelmente com as grandes personalidades da história – extremos de “glorificação” e de “demonização” perante suas realizações.

Cândido Mariano da Silva Rondon nasceu em Mimoso, na região pantaneira de Mato Grosso, descendendo por parte da mãe, Claudina Lucas Evangelista, de índios das tribos bororos e terenas. Por parte do pai, Cândido Mariano, contava também com uma bisavó índia, da tribo guará. Ficou órfão muito cedo, e após a morte da mãe, quando contava 8 anos de idade, foi morar com um tio que era capitão da Guarda Nacional e o fez cursar o secundário em Cuiabá e formar-se professor em 1881. Quando seu tio morreu, o jovem Cândido foi encaminhado para a Escola Militar do Rio de Janeiro, inscrevendo-se também no 3º Regimento de Artilharia a Cavalo. Para os rapazes pobres, provindos do interior, duas carreiras eram consideradas como opção: a carreira militar e a eclesiástica. Ambas resolviam o problema do estudo, pois significavam inserção em ambientes capazes de proporcionar instrução, abrigo e até soldo – no caso da carreira militar.

Não demorou muito para o jovem cadete Cândido Rondon aderir, ainda enquanto aluno da Escola Militar, e depois da Escola Superior de Guerra, aos movimentos revolucionários do abolicionismo e do republicanismo. Foi influenciado, como a maioria de sua geração, pelo ideário positivista progressista de seu professor Benjamin Constant Botelho de Magalhães, para quem, como diz o historiador José Murilo de Carvalho, “o Exército era visto antes como um instrumento do que como o fim da ação”. A República com a qual sonhavam os dessa facção manteria, no entanto, um aspecto autocrático, dando vitaliciedade e poder sucessório ao chefe do governo, para promover uma “república social” que garantisse todas as liberdades espirituais e a incorporação do proletariado à sociedade, mediante a eliminação dos privilégios da burguesia.

Contemporâneo do escritor Euclides da Cunha no tempo da caserna, partilhando integralmente dos mesmos ideais, os dois discípulos de Benjamin Constant tiveram, no entanto, pela diferença de temperamento e de formação na adolescência, atitudes inteiramente opostas em relação ao ambiente em que viviam: Euclides – nervoso, impulsivo e precipitado, portador mesmo de instabilidade psíquica (como foi amplamente provado mais tarde, em sua vida e em sua trágica morte), aos 22 anos viveria um episódio de extrema rebeldia: durante uma inspeção do ministro da Guerra à Escola Militar, saiu de forma durante a revista da tropa, atirou ao chão o sabre e interpelou o visitante sobre a paralisação das promoções no Exército. Um ato que poderia ter valido não somente sua expulsão imediata das Forças Armadas, mas também sua condenação à forca. Se isso não aconteceu foi porque era realmente grande e bem ancorado o movimento liberal, dissidente e antimonárquico, no próprio Exército. Euclides seria desligado da carreira militar sob o pretexto de “incapacidade física”, em 1888, e pôde voltar a ela depois de proclamada a República durante pouco tempo, pois logo participaria da conspiração contra Deodoro e, em fevereiro de 1894, protestaria abertamente contra a execução de presos políticos, após a Revolta da Armada. Pediu reforma em 1895.

Linhas telegráficas

O “índio” Rondon soube conciliar seu ideário político com uma atitude reservada, silenciosa, esperando a mudança natural dos tempos e dos dirigentes da nação, da mesma forma como seus ascendentes sabiam esperar as mudanças da natureza e das estações ou tocaiando animais selvagens, em suas caçadas. Sua participação política foi inteiramente oposta ao arrebatamento juvenil e temerário manifestado por Euclides e outros colegas republicanos, e embora digam seus biógrafos que ele tenha participado ativamente na implantação da República, manteve-se com mais prudência, cumprindo sua disciplina militar.

Com o advento do presidencialismo, em 1889, Benjamin Constant foi nomeado ministro da Guerra e procurou cercar-se, naturalmente, de seus mais fiéis e competentes discípulos. Rondon, formado em ciências físicas e naturais na Escola Superior de Guerra, em 1890, foi promovido a segundo-tenente da artilharia e designado como professor de astronomia, mecânica superior e matemática superior na mesma escola. Entretanto, como o governo republicano preocupava-se com o desenvolvimento das regiões mais desabitadas do país, decidiu melhorar as comunicações construindo linhas telegráficas na direção do centro-oeste. Rondon foi escolhido, ainda em 1890, para integrar a equipe que construiria a linha entre Mato Grosso e Goiás, e promovido a primeiro-tenente uma semana mais tarde – em 1900, foi nomeado chefe daquela empreitada.

No trabalho de engenharia das comunicações, que se estendeu ininterruptamente até 1º de janeiro de 1915, Rondon mostrou a mesma aplicação metódica e constante que marcara toda a sua formação técnica, tornando-se responsável pela instalação das linhas telegráficas de toda aquela região, um trabalho que culminou com sua indicação, agora como major, à chefia da Comissão Rondon (1907-1915), chegando até Porto Velho, no atual estado de Rondônia. Construiu assim, com o batalhão sob seu comando, uma imensa rede telegráfica – uma travessia do sertão que foi relatada por ele em seu diário e em seus escritos posteriores, como uma verdadeira “epopeia civilizadora”, iniciada no sul do Mato Grosso e atravessando todo o estado até o noroeste (Rondônia), estendendo-se, posteriormente, pelo sudoeste da Amazônia (hoje estado do Acre), até Porto Velho, na região do rio Madeira, indo de encontro à ferrovia Madeira-Mamoré, outro arrojado projeto do governo republicano, construído de 1907 a 1912, depois votado à decadência e extinção. Entre 1900 e 1906, essa primeira expedição de Rondon percorreu 4.100 quilômetros, construiu 1.667 quilômetros de linhas telegráficas e inaugurou 16 estações. De 1907 a 1915, já como major do Corpo de Engenheiros Militares e chefe da Comissão Rondon, percorreu cerca de 5.600 quilômetros, instalou 4.500 linhas e construiu mais 55 estações telegráficas.

Tendo declarado em 1898 sua adesão à Igreja Positivista do Brasil, sediada no Rio de Janeiro, Rondon pautou toda sua vida e seu trabalho como uma missão de fraternidade que visava, “através da ciência, da arte e da indústria, transformar a Terra em paraíso para todos os homens, sem distinção de raças, crenças e nações”. Mas os princípios altissonantes da “Religião da Humanidade” que nos vinham do francês Augusto Comte (1798-1857) acentuaram em seu temperamento os traços de autoritarismo e de fanatismo denunciados em numerosas críticas do seu tempo, aprofundadas pela nossa moderna historiografia.

Sua carreira no exército prosseguiu normalmente até 1930. Hostilizando [Getúlio] Vargas e não aceitando a legitimidade de seu movimento revolucionário, Rondon foi preso pelo general Góis Monteiro, em Porto Alegre, e obrigado a pedir a reforma para poder continuar os trabalhos que então realizava na Comissão de Inspeção de Fronteiras. Em 1939, retomou a direção do Serviço de Proteção aos Índios – que fora obrigado a deixar – e, a partir de 1942, apoiou a “Marcha para o Oeste”, empreendida pelo governo Vargas. Em 1955, foi promovido a marechal do Exército Brasileiro pelo Congresso Nacional. E, em 1956, o território do Guaporé teve seu nome mudado para Território Nacional de Rondônia, elevado a estado em 1981.

Proposta defasada


O grande sertanista faleceu em 19 de janeiro de 1958, aos 92 anos de idade, no Rio de Janeiro. A epopeia da Comissão Rondon, realizada sob a égide positivista do “progresso”, por uma dessas ironias do destino acabaria passando à história como “obsoleta”, pois quando terminou de estender o último fio do telégrafo – sistema que era considerado imprescindível como fator de integração nacional – viu que seu trabalho estava superado com a chegada da radiotelegrafia. Na visão de Lévi-Strauss, em Tristes Trópicos, a lembrança dessa tarefa executada por Rondon permaneceria apenas “como simples vestígio arqueológico de uma idade científica ultrapassada”.

No entanto, a obra de Rondon e de sua Comissão transcende de muito a tarefa a que ele se propusera: como cientista, antropólogo, geógrafo, etnólogo, esse descendente de índios empenhou toda sua vida no esforço de descobrir e contatar as populações indígenas, de realmente defendê-las da violência dos conquistadores e exploradores da terra, e de “integrá-las” no tecido da nacionalidade brasileira. E realmente fez isso, na medida do possível, embora tenha se enredado, como não podia deixar de acontecer, no ambíguo ideário do seu tempo, “a ação civilizadora do homem (branco)”. Seus objetivos eram expostos por ele próprio de maneira explícita em 1915, em escritos em que evocava a necessidade de “desbravar esses sertões, torná-los produtivos, submetê-los à nossa atividade, aproximá-los de nós, ligar os extremos por eles interceptados, aproveitar a sua ferocidade e as suas riquezas, estender até os mais recônditos confins dessa terra enorme, a ação civilizadora do homem” (citação da historiadora Laura Antunes Maciel, em seu livro A Nação por um Fio – Caminhos, Práticas e Imagens da “Comissão Rondon”, 1998).

Infelizmente, essa proposta soa realmente como preconceituosa, defasada, para nós, uma “integração” indígena que já não parece hoje possível, desejável ou mesmo permitida, conscientes da necessidade de preservação das culturas autóctones – conceito transformado em preceito pela Constituição Federal de 1988, em seu artigo 231: “São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens”.

Durante todo o período colonial e monárquico, a ideia que se tinha do índio era a de uma espécie de animal selvagem, atrasado e bárbaro, que resistia à dominação e exploração do homem branco e que como “perigoso” e “inimigo” devia até ser exterminado. Alguns anos antes do oficial “descobrimento do Brasil”, a caça ao índio e sua negociação com exploradores do seu trabalho já havia começado, com João Ramalho e outros europeus aqui aportados, ardil que tinha o apoio e a cumplicidade de certos caciques, alianças que ensejavam expedições armadas com o fim de dominar e escravizar tribos “inimigas”. Denunciado também já tem sido, sobejamente, o episódio do “bandeirantismo” que, propondo uma expansão territorial para além dos minguados limites previstos no Tratado de Tordesilhas, transformou-se inegavelmente em um verdadeiro genocídio contra as populações indígenas de várias regiões – segundo alguns especialistas, à época do descobrimento aproximadamente 3 milhões de silvícolas habitavam a nova terra. Foi rápido e violento o seu decréscimo durante os períodos colonial e monárquico, e mesmo até a primeira metade do século 20, pois em 1957 o registro oficial dos índios em território nacional seria de somente 70 mil. No entanto, a partir desse ponto, uma tendência inversa pôde ser notada, com o rápido aumento populacional: 400 mil indivíduos, no ano 2000, e 896.917, segundo o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, publicado em 2012.

Escrever na água

Até mesmo os jesuítas, que se diziam vindos em missão sagrada de converter os indígenas e redimir suas almas, demonstraram de modo inequívoco sua desilusão, ao constatarem que “catequizar os índios era como querer escrever na água”. Os arquivos da Companhia de Jesus, só abertos ao público no século 20, reúnem numerosos documentos e cartas de reclamações aos superiores ou às autoridades da Coroa nesse sentido. O padre Manuel da Nóbrega, em 1552, três anos após sua vinda, desesperava já de “terra tão pecadora” e sonhava em partir para o Paraguai em busca dos guaranis, mais “civilizáveis”. Em carta de 1558 propunha até o fechamento do Colégio de Piratininga, “porque nem com cristãos nem com gentios aproveitaremos nada, desta maneira” e definia o índio brasileiro como “o mais vil e triste gentio do mundo”. E o bom do padre José de Anchieta (hoje santo), apesar de sua legendária mansuetude, não hesitava em pedir a el-rei que mandasse homens e armas para acabar de vez com os “intratáveis” índios, que somente seriam convertidos “pela coerção com espada e vara de ferro”. Dizia que, por se tratar de gente tão indômita e bestial, “somente será resolvido o problema do índio quando se acabar com ele”.

Apesar de seus maciços conceitos “positivistas”, da manutenção mesmo em seus artigos de uma certa nomenclatura que revelava preconceitos próprios de seu tempo e de seu ambiente (como revela Laura Antunes Maciel), na prática o marechal Rondon seguiu seu foro íntimo – e a sua própria vivência racial – no trato com os indígenas. Em seu livro Rondon – O Marechal da Floresta (2006, atualmente esgotado), o brasilianista Todd. A. Diacon oferece vasta documentação sobre a avaliação dos trabalhos de Rondon, em sua própria época e até hoje – tanto as negativas como as positivas. Um exemplo das primeiras pode ser retirado de citação no “Jornal do Comércio”, de 3 de novembro de 1911: “O Governo terá vergonha de mandar publicar a cifra exata das quantias gastas com essa loucura até hoje”. E, das segundas, do texto de Severo dos Santos, mencionado em “A Rua”, do Rio de Janeiro, de 18 de julho de 1916: “Esses trabalhos (da Comissão Rondon), honram certamente muito mais o Exército brasileiro que todos os combates do Paraguai e ficarão como um saldo nos descontos que merece pelos erros e crimes de Canudos, do Rio Grande ou do Contestado”.

Os méritos de Rondon foram reconhecidos plenamente por sociedades e personalidades estrangeiras – em 1914, recebeu o Prêmio Livingstone, da Sociedade de Geografia de Nova York; desde 1912 seus métodos protecionistas foram referenciados em diversos encontros mundiais, como o Congresso Universal das Raças e o Congresso Internacional de Americanistas, realizados na Inglaterra. Foi ele recomendado duas vezes para o Prêmio Nobel da Paz. Na primeira vez, em 1925, a indicação partiu do cientista Albert Einstein: em uma viagem feita ao Brasil ele escreveu que Rondon deveria receber esse prêmio “por seu trabalho de absorção das tribos indígenas no mundo civilizado sem o uso de armas ou violência”, tratando-se, pois, de “um filantropo e um líder de primeira grandeza”. Na segunda, em 1957, a recomendação coube ao Explorer’s Club, de Nova York.

A Sociedade de Geografia de Nova York considera o sertanista brasileiro “um dos cinco maiores exploradores do planeta, sendo o que mais se aventurou por terras tropicais”. É o único homem da Terra que teve seu nome dado a um meridiano terrestre – o Meridiano Rondon, de número 52. Ganhou a consideração de todos com o lema que constituiu seu posicionamento em relação aos índios: “Morrer, se preciso for, matar, nunca!”. Lema que provou arriscando a própria vida, em setembro de 1913, quando foi atingido por uma flecha envenenada dos índios nhambiquaras. Salvo pela bandoleira de couro de sua espingarda, ordenou que seus comandados não reagissem e batessem em retirada, demonstrando seu princípio de penetrar no sertão somente com a paz. Dele disse seu grande discípulo, o antropólogo e sociólogo Darcy Ribeiro (1922-1997), dedicado ao estudo de nossos indígenas: “Nós podemos apontar Rondon para o mundo e gritar: ‘Este é o nosso herói!’”.
Revista Problemas Brasileiros

Um comentário:

Antonio Batalha disse...

A Verdade Em Poesia, está a tentar visitar a todos os seus seguidores,
para deixar abraço amigo e agradecer por termos ficado juntos mais um ano,
desejar também que este ano lhe traga muitas alegrias, e grandes vitórias.
Atenciosamente. António.
PS. tive de seguir outra vez porque estava sem foto, ou sem endereço.